Esta edição do volume XXL da Editora Taschen explora os guaches decoupées de Matisse – recortes brilhantes e arrojados produzidos quando Matisse não podia pintar devido à idade avançada e teve que criar um novo meio. Nesse fabuloso livro de arte é possível conhecer a história do artista em fotos raras de Henri Cartier-Bresson e FW Murnau, e com textos do escritor surrealista Louis Aragon e do próprio Matisse.

Um desenhar com tesoura, o revolucionário trabalho tardio de Matisse

Perto do fim de sua carreira monumental como pintor, escultor e litógrafo, um Matisse idoso e doente não conseguia ficar de pé e usar um pincel por muito tempo.

Nesta fase tardia de sua vida – ele tinha quase 80 anos de idade –quando desenvolveu a técnica de “esculpir em cores”, criando recortes de papel brilhantes e em negrito. Embora descartados por alguns críticos contemporâneos como a loucura de um velho senil, esses guaches decoupées (recortes de guache) na verdade representaram uma revolução na arte moderna, um meio totalmente novo que reinventou o antigo conflito entre a cor e a linha.

Esta edição do primeiro volume do premiado livro XXL da Taschen originalmente fornece um contexto histórico completo para os recortes de Matisse, traçando suas raízes em sua viagem de 1930 ao Taiti e continuando até seus últimos anos em Nice.

O livro inclui muitas fotos de Matisse, bem como algumas imagens raras de Henri Cartier-Bresson e do cineasta FW Murnau, com textos de Matisse, da editora E. Tériade , dos poetas Louis Aragon, Henri Michaux e Pierre Reverdy , e do filho de Matisse. sogro de Georges Duthuit .

Em sua simplicidade enganosa, os recortes alcançaram tanto uma qualidade escultural quanto uma abstração minimalista inicial, que influenciaria profundamente as gerações de artistas que viriam.

Exuberantes, multicoloridos e muitas vezes grandiosos em escala, esses trabalhos são verdadeiros pilares da arte do século 20 e tão ousados ​​e inovadores de se ver hoje quanto na vida de Matisse.

Sobre os editores é possível dizer que são geniais!

Xavier-Gilles Néret ensina filosofia da arte e design na École Duperré Paris e na Universidade de Paris 1 Panthéon-Sorbonne. Ele estuda as conexões entre arte, filosofia e poesia. Suas publicações incluem trabalhos sobre Bernard Saby, Daisuke Ichiba, Pakito Bolino, Anne van der Linden e um ensaio teórico sobre grafzines. Vive e trabalha em Paris.

Gilles Néret (1933–2005) foi historiador de arte, jornalista, escritor e correspondente de museu. Ele organizou várias retrospectivas de arte no Japão e fundou o Museu SEIBU e a Galeria Wildenstein em Tóquio. Dirigiu resenhas de arte como L’Œil e Connaissance des Arts e recebeu o Prêmio Élie Faure em 1981 por suas publicações. Seus títulos na Taschen incluem Salvador Dalí: The Paintings , Matisse e Erotica Universalis.

Matisse. Recortes. 40ª Ed.

Xavier-Gilles Néret , Gilles Néret

Capa dura, 15,6 x 21,7 cm, 1,02 kg, 412 páginas

About Author

Márcia Ávila

Jornalista e Editora da Magazine Lifestyle com pós-graduação em Gestão Organizacional (Adm. de Empresas) e Especialização em Inteligência Competitiva (Eng. de Produção). @marciaavila.mktdeconteudo

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *